Pintar por Números para Adultos - Aposentadoria Antecipada

Recentemente, recebemos um e-mail da Marisol, uma de nossas clientes, a quem pedimos que ela nos falasse um pouco sobre como Pintar por números Isso afetou sua maneira de ver as coisas. Estaremos expandindo esta seção com mais depoimentos. Esperamos que sejam úteis e sirvam para ampliar o uso da pintura como hobby, terapia e ferramenta de espiritualidade. Aproveitar!

Aposentadoria aos 55, e agora?

Quero contar minha experiência, o idílio especial que comecei com telas que são pintadas por números há mais de dois anos.

Sou mulher, mãe de três filhas independentes, divorciada e empregada desde o início dos tempos por um conhecido banco. Há dois anos, entrei na lista de aposentadoria antecipada do banco e confesso que me emocionei. As condições econômicas não eram ruins e aos meus 55 anos recém-inaugurados eliminei o estresse, madrugadores e pude passar mais tempo fazendo o que realmente gosto: amigos e escapadelas. Um panorama idílico; Acho que entre os amigos citados, ninguém deixou de me parabenizar com um ponto de saudável inveja.

E chegou o primeiro dia. Não acordar cedo, tomar café da manhã no terraço, ler, muita rua, dormir tarde, ler... E o primeiro mês passou... E o segundo passou. Na terceira comecei a ficar entediado, a propor viagens diferentes aos meus amigos, mas os amigos trabalhavam e era impossível para eles; ligar para minhas filhas com mais frequência, mas elas não estavam lá para sentar e conversar comigo mais do que faziam antes; ir às compras, mas não havia mais a obrigação de manter a aparência em um emprego público (despesa inútil, portanto); Eu me acostumei a ir ao cinema sozinha, coisa que nunca tinha feito antes (O que é um filme sem os comentários de depois?); ir sozinho a exposições e conferências, sempre pronto para qualquer proposta, de onde quer que ela venha; livros devorados; Me matriculei em uma academia para aprender alemão; mais horas na academia; Comecei um curso de culinária japonesa… e uma longa etcetera que não vou detalhar. Conclusão: Cheguei à noite exausto e no dia seguinte me impus as atividades como se fossem um trabalho, como obrigações de ter a sensação de “estar fazendo alguma coisa”.

Até que um dia alguém, em um dos cursos, me falou da satisfatória e relaxante atividade de pintar por números, ele enfatizou. Quase fiquei ofendido; Minhas filhas costumavam colorir esse tipo de desenho quando eram pequenas, e eu não era exatamente uma menina. Ele esclareceu que, embora a base técnica fosse a mesma, eu deveria pesquisar na Internet adicionando o slogan “adultos” à pesquisa. me indicou a página Tela por números  do qual era cliente habitual. Achei sem problemas, vi que o investimento era pequeno e resolvi experimentar a tela de uma menina bem parisiense vestida de vermelho.

Quando chegou, fiquei impressionado com o detalhe da tela (não um pedaço de papel, uma tela real) e a quantidade de copos de cores. Eu tenho que trabalhar. Nunca pensei que tivesse talento para a pintura artística e no fundo estava convencido de que era uma perda de tempo e dinheiro. Igual ao curso de comida japonesa, no mesmo nível (comida japonesa no restaurante; pinturas nas paredes de uma galeria). Como digo, comecei e naquela tarde não liguei para ninguém nem senti falta da rua. Olhei para cima e várias horas se passaram como se nada tivesse acontecido.

Comecei a minha primeira pintura por números na mesa de jantar, com pouca luz natural e arrumando tralha para ter espaço… Hoje, dois anos depois, uma das salas foi transformada num espaço muito pessoal onde com música de fundo, um filme, um talk show de rádio ou podcasts de meu interesse, dedico várias horas por dia às minhas "pinturas por números". Eu até relutantemente pego o telefone quando ele toca!

Não há ansiedade, a sensação de solidão evaporou e não preciso encadear uma atividade atrás da outra para me sentir ocupada. Todas as manhãs, depois do café da manhã, entro no ateliê, olho a pintura inacabada e não tenho tempo de pegar os pincéis e continuar pintando. Parabenizo-me e estou surpreso com o resultado. Acho que minha autoestima aumentou. Gosto muito de sair com os amigos, mas no ritmo deles, porque eles têm um horário, e continuo a fazer cursos de vez em quando. Com poucas exceções, deixei de ir sozinho ao cinema e a conferências. Sou seletivo na hora de ocupar meu tempo, faço o que realmente quero e nada mais. Claro que não parei de viajar duas vezes por ano, como costumava fazer.

Quanto às minhas pinturas (plural, que são muitas), fiz grandes progressos e cada vez que escolho as mais complicadas, ousei até com um Van Gogh. Alguns decoram minha casa, outros eu dei de presente, ou estão em uma gaveta esperando um destino... Claro, a parisiense de vermelho está no meu estúdio e me lembra cada vez que olho para ela o quanto gosto de pintar.

-Marisol R. (Madrid)

Voltar para o blogue

Deixe um comentário

Tenha em atenção que os comentários necessitam de ser aprovados antes de serem publicados.